quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Jovens dos Focolares realizam SMU 2011 no Brasil - Notícias Canção Nova

Nicole Melhado
Da Redação


Arquivo pessoal
Jovens na SMU 2010 no Rio de Janeiro

Uma semana para intensificar atividades que promovam a paz e o bem comum, gritando ao mundo que a fraternidade universal é possível. Esta é a proposta dos jovens doMovimento dos Focolares para a Semana Mundo Unido.

A SMU já está no calendário oficial de muitas cidades no Brasil, e é uma das principais manifestações do Movimento dos Focolares no mês de outubro. De norte a sul os Jovens por um Mundo Unido realizam marchas pela paz, limpeza de parques e jardins públicos, mesas redondas e entre outras atividades.

No Pará as atividades têm um apelo para uma vida mais ecológica e saudável. “Em Belém trabalharemos numa escola mantida pelo Movimento dos Focolares que cuida de crianças carentes. Ela fica num dos bairros mais perifericos da cidade”, conta Natália Nunes. A jovem explica ainda que a ideia é cada um doar um pouco de seus conhecimentos e aptidões nas atividades propostas. “Eu e meus amigos da faculdade de medicina daremos palestras para as crianças e pais sobre noções de higiene, as doenças ocasionadas pelo acumulo de lixo, e outros assuntos voltados para a área da saúde”, elucida Natália.

Os jovens cariocas poderão apreciar atividades culturas, esportivas e recreativas que visão a integração e a reflexão do papel dos jovens na política, economia, e na formação de uma cultura que valorize a fraternidade. “O intuito dessas atividades é mostrar aos jovens que nós podemos realizar o mundo unido. Essa é uma proposta que podemos levar a todos os lugares”, ressalta Leandro Machado.

Na capital paulista, além de aula sobre política e cidadania, distribuição de refeições para moradores de rua, estão programados para o dia 25 uma Missa e um bate-papo sobre a santidade hoje, tendo como exemplo a vida deChiara Luce, jovem recentemente beatificada pelo Papa Bento XVI.

A manifestação é um apelo aos jovens e adultos de todo o mundo, às instituições nacionais e internacionais, públicas e privadas, para que valorizem as iniciativas que promovem a unidade a todos os níveis: entre gerações, classes sociais, culturas, religiões diversas.